Professor Doutor Luís Pires Lopes

A história da Faculdade de Medicina Dentária confunde-se com a história recente do nosso país. O decreto que fundou a então designada Escola Superior de Medicina Dentária de Lisboa é de junho de 1975. Este foi o ano imediato ao 25 de abril, que se caracterizou pela grande convulsão social e política. Nessa altura, treze professores, todos médicos estomatologistas, com a colaboração da Escola de Bergen e com as bolsas financiadas pelo Governo Norueguês, implementaram o ensino da medicina dentária em Portugal. Este seguiu um modelo pedagógico inovador à época, adotado na altura pelos países mais avançados no ensino da medicina dentária.
A entrada em 1986 de Portugal na então designada Comunidade Económica Europeia correspondeu à criação, nesta Escola, dos cursos de formação profissional em áreas complementares à da Medicina Dentária. Estes, vieram mais tarde a dar lugar às atuais licenciaturas em Higiene Oral e em Prótese Dentária. Aquando do seu arranque, de salientar o importante contributo da Fundação Hope, a qual suportou a vinda de vários professores de universidades norte americanas e atribuiu bolsas para vários dos nossos docentes estudarem nos Estados Unidos.
Em 1991 a Faculdade de Medicina Dentária passou a integrar a Universidade de Lisboa, a maior Universidade Portuguesa, que a nível nacional e do espaço Ibero-Americano ocupa o topo dos principais rankings que classificam a qualidade das instituições de ensino universitário.
Atualmente, somos das poucas instituições de ensino universitária a nível mundial que ministram o ensino às várias profissões que constituem a equipa de saúde oral. A saber: de Médico Dentista, de Higienista Oral e de Técnico de Prótese Dentária.
O contacto com os doentes é muito importante para a formação dos nossos estudantes. Por esse motivo, nas várias clínicas universitárias são realizadas mais de 20.000 consultas por ano. Na clínica dedicada aos pacientes com necessidades especiais, única no país, os nossos alunos têm a oportunidade de prestar cuidados de saúde oral a uma população, infelizmente muito pouco protegida pelo nosso Serviço Nacional de Saúde.
O facto de termos um corpo docente relativamente jovem e altamente qualificados nas várias áreas do saber, junto com a implementação que tem vindo a ser feita na prática clínica e laboratorial das novas tecnologias digitais, torna esta instituição uma das mais dinâmicas e inovadoras em termos de ensino e de investigação.
Hoje, passados 45 anos da criação do ensino na área da saúde oral, queremos continuar o desígnio dos nossos fundadores, formar profissionais competentes, técnica e cientificamente, tendo sempre presente os mais altos valores éticos da profissão.

Despachos do Diretor

Curriculum Vitae

Competências

  1. Compete ao Diretor:
    a) Dirigir a Faculdade e representá-la perante os órgãos da Universidade e perante o exterior;
    b) Representar a Faculdade ou, em alternativa, designar o representante da Faculdade no conselho de coordenação da área estratégica das Ciências da Saúde;
    c) Elaborar e apresentar à Assembleia da Faculdade as opções estratégicas fundamentais para o período do mandato, o orçamento e o plano de atividades, bem como o relatório de atividades e contas;
    d) Assegurar o bom funcionamento da Faculdade, em todas as suas atividades de ensino, de investigação e de prestação de serviços à comunidade;
    e) Apresentar ao Reitor as propostas de estatutos das pessoas coletivas de direito privado constituídas nos termos do artigo 6.º;
    f) Assegurar o cumprimento das deliberações tomadas pelos órgãos colegiais da Faculdade;
    g) Definir as regras de utilização dos espaços e das instalações;
    h) Aprovar o calendário e horário das atividades letivas, ouvidos o conselho científico e o Conselho Pedagógico;
    i) Exercer o poder disciplinar que lhe seja delegado pelo Reitor;
    j) Exercer as funções que lhe sejam delegadas pelo Reitor.
  2. Relativamente aos serviços da Faculdade, compete ao Diretor:
    a) Orientar e superintender na gestão administrativa e financeira da Faculdade, assegurando a eficiência no emprego dos seus meios e recursos;
    b) Dirigir os serviços da Faculdade e aprovar os necessários regulamentos;
    c) Designar, nos termos da lei, o Secretário Coordenador da Faculdade;
    d) Presidir ao Conselho de Gestão;
    e) Assegurar a integração da gestão administrativa da Faculdade na gestão administrativa geral da Universidade, nos termos da lei;
    f) Assegurar a participação da Faculdade no Centro de Recursos Comuns e Serviços Partilhados da Universidade;
    g) Elaborar o orçamento e o plano de atividades da Faculdade e assegurar a sua concretização;
    h) Fixar o valor de inscrição correspondente aos cursos não conferentes de grau;
    i) Fixar as taxas de quaisquer outros serviços prestados pela Faculdade.
  3. Relativamente à gestão de Recursos Humanos, compete ao Diretor:
    a) Orientar e superintender na gestão dos recursos humanos da Faculdade;
    b) Concretizar, nos termos da lei, o recrutamento do pessoal docente e de investigação;
    c) Promover, nos termos da lei, o recrutamento do pessoal não docente e não investigador;
    d) Praticar todos os atos previstos na lei relativamente à situação e à carreira do pessoal ao serviço da Faculdade, sem prejuízo das competências do conselho científico.
  4. O Diretor assume ainda todas as competências que por Lei ou pelos Estatutos não sejam atribuídas a outros órgãos da Faculdade